21 de junho de 2017

Quem são os Arautos do Evangelho realmente?


 
Por  Católica Conect - 21 de junho de 2017

          Após avassaladora enxurrada de notícias na internet decorrentes das mídias seculares, acerca dos Arautos do Evangelho, foi realizada uma análise, e nos deparamos com notícias que falavam alguma coisa extremamente negativa sobre tal instituição católica. A página ‘O Globo’ lançou matéria dizendo que a instituição conservadora de padres exorcistas, são satanistas!  A ‘Folha de São Paulo’ alegou que eles desejavam a morte do Papa e que fizeram pacto com o diabo! (Algo contraditório não?) E por ai vai, ate que as matérias foram se reproduzindo em outros jornais seculares. Ora, há algo muito esquisito e suspeito por trás de tudo isso, pois os jornalistas que atuam em tais mídias nunca pisaram o pé ou sequer  frequentaram à instituição e é conhecido de todos que em sua grande maioria nem católicos são.
           Quando a mídia secular mira para a Igreja Católica, por meio de alguma de suas instituições, o alerta deve ser geral, e nesse caso não foi diferente, pois as matérias causaram muita confusão no meio católico de um emaranhado de notícias que não se cruzavam.
           Será que tem alguém por trás desses ataques orquestrados? Até porque nem o Vaticano se pronunciou sobre isso, sendo que essa instituição tem o Direito Pontifício dado por São João Paulo II.
           Por essa razão resolvemos apurar os fatos e averiguar o que a Santa Sé em Roma fala sobre esta instituição, e o que realmente esta por trás dos Arautos do Evangelho.
           E o que encontramos foi surpreendente, assista o vídeo até o final e descubra por si só a VERDADE, quem são os Arautos do Evangelho!
           O que nós constatamos é que todos aqueles que tem contato com esse grupo (Arautos) começam a frequentar a Santa Missa com mais frequência, passam a rezar o Santo Rosário, iniciam frequente hábito de se confessarem regularmente, bem como viver uma vida piedosa almejando ser santo. Ora, para os dias atuais chega a ser ESTARRECEDOR uma pessoa passar a praticar tais virtudes e devoções.
            Descobrimos que cada Sacerdote Arauto celebra duas missas diariamente, e que atendem confissão sempre que algum fiel precisar.
            Algumas pessoas que tiveram contato com essa ordem nos relataram que mudaram suas vidas, que as coisas começaram a entrar em ordem e que a vida de oração mudou completamente, adquirindo mais amor ao imaculado coração de Maria e aumentado a sua frequência as Santas Missas durante a semana.
             Ou seja, descobrimos que o único contato que eles tem com o demônio é de colocar o tinhoso de volta ao inferno, onde é o seu devido lugar.


Vá à página da Catolicaconect

e assista também o vídeo ali apresentado

ACESSE AQUI

16 de junho de 2017

Qual o intuito do Sr. Andrea Tornielli ao atacar os Arautos do Evangelho? Criar um cisma na Igreja?

Autor: GAUDIUM PRESS    

São Paulo – Brasil (Sexta-feira, 16-06-2017, Gaudium Press) Quem lê os artigos e livros do prestigioso vaticanista, Sr. Andrea Tornielli, pode regozijar-se com a recordação da figura pitoresca de um camaleão. Assim, suas publicações registram uma arguta capacidade de adaptar-se ao ambiente em que se encontra, para desenvolver a sua atividade: soube sorrir para João Paulo II, afagar o pontificado de Bento XVI e, ao mesmo tempo, preteri-lo discretamente, quando já andava de braços dados com Francisco…

Recentemente, o Sr. Tornielli publicou um artigo polêmico no blog Vatican Insider, do jornal La Stampa: “Arautos, a doutrina secreta: ‘Correa incentiva a morte do Papa'”. Considerando a conhecida característica camaleônica do articulista, duas questões despontam a partir desta publicação: quais são as suas pretensões? Para que ambiente ele antecipa uma adaptação?

É interessante observar que o autor ressuscita, através do mencionado artigo, antigas, muito antigas, denúncias contra o Professor Plinio Corrêa de Oliveira, relativas à veneração que muitos lhe prestavam em vida, bem como à devoção privada a sua mãe, D. Lucília. Agora, Mons. João Scognamiglio Clá Dias, fundador dos Arautos do Evangelho, é alvo dos mesmos ataques. Essas são acusações obsoletas, todas respondidas e devidamente refutadas conforme os ditames da mais estrita doutrina católica.
Timeo hominem unius libri. É bem o que os leitores da imprensa católica são inclinados a concluir nestes momentos, sobre o conhecimento do Sr. Tornielli a respeito do tema de seu artigo: estudioso de um só livro causa temor. O que não fica nada bem para um articulista desse porte… Vejamos por que.

Em primeiro lugar, poderíamos sugerir ao Sr. Tornielli voltar um pouco ao passado da instituição, por ele tão veementemente atacada, e deitar alguma atenção a uma obra publicada em 1985 – Servitudo ex Caritate – com o parecer do eminente teólogo Pe. Victorino Rodríguez y Rodríguez, OP. Nesse estudo, nunca replicado, o assunto da Sagrada Escravidão a Jesus, pelas mãos de Maria, bem como os vínculos espirituais entre o Prof. Plinio e seus discípulos, que ele menciona em seu artigo, foram completamente esclarecidos para o passado, para o presente e para o futuro.

E por que não ler, também, o livro Dona Lucilia, de 1995, com prefácio laudatório do Pe. Antonio Royo Marín, OP, reeditado em parceria com a Libreria Editrice Vaticana em 2013, também em língua italiana? Sua leitura teria sido suficiente para compreender que os fundamentos da devoção a esta grande dama brasileira estão baseados em sua vida de ilibada virtude e no bimilenar costume da Santa Igreja. Permita-nos dizer-lhe, Sr. Tornielli, que talvez seja conveniente rever as suas anotações do tempo de catecismo, pois antes mesmo de alguém ser canonizado, pede a Santa Madre Igreja que seja reconhecida sua fama de santidade.

E quanto à devoção a Dr. Plinio? Se lhe interessarem dados mais atuais, convidamos o Sr. Tornielli a fazer um dedicado estudo a uma obra recentíssima, de 2016, publicada em cinco volumes também pela Libreria Editrice Vaticana, com mais de 100 mil coleções impressas, sob o título O dom de sabedoria na mente, vida e obra de Plinio Corrêa de Oliveira. Nesse trabalho encontram-se detalhadas as origens históricas e o embasamento teológico desse tema, tratado de forma tão tendenciosa em seu artigo.

É verdade que surgiu, entretanto, diante do Sr. Tornielli, uma grande e insólita novidade: um vídeo privado, divulgado fora do contexto e superado pelo tempo, pois é velho de um ano e meio. Sendo ele de uso restrito da instituição, foi, entretanto, obtido de forma ilegal por um homem apaixonado no desafeto à TFP e aos Arautos – ele mesmo ex-membro da TFP -, casado com uma senhora, ex-membro da Opus Dei, que ocupam ponderada parte de seu tempo em atacar as entidades às quais pertenceram. Nesta fonte que o influente Sr. Tornielli foi buscar sua informação imparcial…

Trata-se do registro de uma reunião de clérigos, reservada, que não implicou em nenhuma mudança de rumos nos Arautos do Evangelho, seja em seu relacionamento para com a Sagrada Hierarquia e a sociedade civil, seja na atuação com a imensa quantidade de aderentes do movimento. O objetivo do encontro registrado era, simplesmente, intercambiar impressões a respeito de determinados fenômenos preternaturais, num ambiente de amena e distendida intimidade. Mãos criminosas, ainda desconhecidas, resolveram divulgar seu conteúdo de forma malévola e inconsequente para um público que não tem, em sua grande maioria, conhecimentos teológicos suficientes para fazer a respeito do seu conteúdo um juízo aprofundado. Não era difícil, assim, criar confusão em suas mentes. Por outro lado, essas mesmas mãos não se interessaram, naturalmente, em divulgar as conclusões dessas análises.

Ora, por que o Sr. Tornielli não procurou os Arautos para obter um esclarecimento? Bem poderíamos dizer: timeo hominem unius factionis, tememos os homens da meia verdade, os homens parciais, aqueles que não sabem e não querem ouvir as duas partes.

Estará o Sr. Andrea Tornielli agindo sozinho? Isso não sabemos…

Mas podemos afirmar, analisado o artigo do renomado vaticanista e as circunstâncias mencionadas, a cega contribuição que ele está oferecendo no sentido de destruir aquela tão sonhada unidade que os Padres do Concílio Vaticano II quiseram levar adiante e que concretizaram três grandes homens: São João Paulo II, Bento XVI e Mons. João Clá. Eis um modo de arruinar a doutrina de um Concílio Ecumênico, e a dedicada ação de dois papas – um ainda vivo e entre nós – e de um Fundador, de quem um Prefeito da Congregação para os Religiosos, Cardeal Franc Rodé, disse ser a Igreja devedora!

Cui prodest? A quem aproveita esta atitude? O mundo católico está certamente perplexo: desta vez o camaleão apresenta tons tão surreais que, feitas as devidas ponderações, ainda continua suscitando perguntas acerca de suas variadas novas colorações:

– A quem representa o Sr. Andrea Tornielli?

– Pretende ele provocar um cisma na Igreja?

– Com que intenções?

Por fim, esclarecidas as inverdades e distorções, fazemos-lhe um convite para retornar às vias de um jornalismo culto, sério e ético. Os Arautos do Evangelho consagram a São José, padroeiro da Igreja, a própria defesa, na certeza de não serem desamparados pelo pai virginal de Jesus e castíssimo esposo de Maria. Sem prejuízo dos próprios direitos, estão eles dispostos a sempre acolher com benevolência a retratação dos caluniadores e a perdoá-los sinceramente, pois não guardam qualquer ressentimento.

Arautos do Evangelho

15 de junho de 2017

Corpus Christi: A hóstia gotejou o Precioso Sangue



              O sacerdote e o povo fiel viram a Hóstia Consagrada gotejar o Sangue precioso de Cristo durante a celebração da Eucaristia. Um milagre impressionante ocorrido há mais de 740 anos e que até hoje desafia os incrédulos.

               Um fato espetacular está na raiz da tradicional festa do Corpo e Sangue de Cristo, que se celebra nesta 5a. Feira, dia 15.
               Numa tarde do longínquo ano de 1263 um sacerdote de nome Pedro, que a tradição aponta como originário de Praga, caminhava pela estrada em direção a Roma. Muito provado em sua crença na presença real de Cristo na hóstia consagrada, ele fazia essa peregrinação para sentir-se fortalecido em sua fé vacilante, pois era sua identidade sacerdotal que estava em jogo naquele atormentado período de sua vida.
              Tendo muita devoção por Santa Cristina, mártir cristã dos primeiros séculos, ele entrou em Bolsena para prostrar-se diante do seu túmulo, e ali celebrar a Eucaristia.
               Durante a celebração, a dúvida atroz que o atormentava voltou à sua mente, e ele pediu com insistência intercessão da santa junto a Deus a fim de conseguir aquela mesma fortaleza na Fé que a fez enfrentar o martírio.
               No momento da Consagração, tendo a hóstia em suas mãos, e ao pronunciar as palavras rituais: “Isto é meu Corpo...” foi protagonista de um fato inusitado: a hóstia santa tomou uma tonalidade avermelhada e começou a gotejar sangue, que caiu copiosamente sobre o corporal, tecido de linho branco utilizado em todas as Missas. Os fiéis presentes também puderam contemplar o maravilhoso acontecimento e estupefactos comentavam-no à viva voz entre si.
               Como prosseguir a celebração depois dessa impressionante manifestação divina? Faltou ânimo ao sacerdote. Sentindo-se tomado de  imensa alegria e ao mesmo tempo de grande comoção, interrompeu a Missa, e portando as espécies eucarísticas envoltas no corporal, dirigiu-se à sacristia.
               Voltando a si, já então livre das dúvidas que o haviam atormentado, agradecido a Deus, ele decidiu comunicar o milagre ao Papa Urbano IV que com a coorte pontifícia residia temporariamente na vizinha cidade de Orvieto. Ao representante de Cristo na Terra ele iria também confessar sua falta por ter duvidado, pedindo-lhe perdão e absolvição.
               Com toda a paternidade o Pontífice atendeu-o juntamente com os clérigos e demais testemunhas do prodígio; e depois de ouvir atentamente todos os detalhes do milagre, resolveu enviar a Bolsena uma seleta comitiva encabeçada pelo próprio arcebispo de Orvieto, a fim de verificar o fato de perto e, se confirmado, trazer as preciosas relíquias até ele. Santo Tomás de Aquino e São Boaventura teriam tomado parte na mesma.
 Tudo comprovado, formou-se então, a partir de Bolsena, uma grande procissão com as relíquias. Nela estavam presentes os dignitários da cidade e uma multidão de fiéis, que agitando ramos de oliveira, encontraram-se com o Papa, sua coorte, os membros do clero orvietano e outra devota multidão.
               De joelhos Urbano IV recebeu a Hóstia e o linho impregnado do precioso Sangue. Em seguida todos se dirigiram para a velha catedral de Orvieto e ali, antes de serem colocados no sacrário, e posteriormente num riquíssimo relicário, as Sagradas Espécies e o corporal foram mostrados ao público exultante de alegria e emoção.
              Diante de milagre tão espetacular acontecido tão próximo de si, o pontífice sentia-se vivamente impressionado, e sua consciência cobrava-lhe uma atitude que desde há muito pensara tomar. Com toda a Igreja, ele já tinha conhecimento do famoso milagre de Lanciano, em que a hóstia e o vinho consagrados se transformaram em Carne e Sangue visíveis, conservando-se assim, sem se decompor, desde o século oitavo.
               Ele também fora confidente de uma sua contemporânea francesa Santa Juliana de Mont Cornillon, que em visões místicas recebera dos Céus a incumbência de transmitir à Igreja o desejo divino de que fosse estabelecida no seu calendário litúrgico uma Festa em honra da Eucaristia. E, agora, diante do grandioso milagre eucarístico de Bolsena, não teve mais dúvidas do que lhe competia fazer.
               No dia 11 de agosto de 1264 , através da bula Transiturus de Hoc Mundo, firmada em Orvieto, instituiu a Festa de Corpus Christi. Com isso estendeu para toda a Igreja o culto público da Sagrada Eucaristia, que era oficiado apenas em algumas dioceses por influência de Santa Juliana.
               Entretanto, só cinquenta anos mais tarde outro Papa, Clemente V, estabeleceu a Festa da Eucaristia como um dever canônico mundial. E, o Concílio de Trento, em meados dos século XVI, tornou oficial a realização da Procissão Eucarística pelas ruas da cidade, como ação de graças pelo dom supremo da Eucaristia e como manifestação pública de fé na presença real de Cristo na Hóstia Sagrada.
               Estava assim, definitivamente instaurada em toda a Igreja a “Festa em que o Povo de Deus se reúne à volta do tesouro mais precioso herdado de Cristo, o Sacramento de sua própria Presença, e o louva, canta e leva em procissão pelas ruas da cidade”.
               Como frutos secundários, mas importantes do milagre de Bolsano, a Igreja foi favorecida com duas grandes obras:  Santo Tomás de Aquino, então regente da cátedra de teologia em Orvieto, a pedido de Urbano IV, compôs o “Ofício da Festa de Corpus Christi”, que contém o célebre cântico Lauda Sion, Salvatorem, entoado em todas as igrejas até nossos dias.

           
                  Para conter as preciosas relíquias, foi construída a belíssima Catedral gótica de Orvieto, cuja fachada colorida é hoje admirada no mundo inteiro.

13 de junho de 2017

Santo Antônio de Pádua



Jamais conseguiremos compreender a espiritualidade de 
Santo Antônio de Pádua
sem analisarmos nele esse aspecto essencial e onipresente da nossa existência
neste vale de lágrimas: a luta, o combate, o sofrimento.

Acesse AQUI

Preparando-se para a Consagração



                  Os Cooperadores do Sodalício Nossa Senhora da Saúde, dos Arautos do Evangelho de São Paulo, continuam em seu intenso apostolado mariano, promovendo a consagração a Jesus pelas mãos de Maria.
                  Em Franco da Rocha, cidade vizinha da capital paulista, um numeroso grupo de fiéis da Paróquia da Imaculada Conceição, estimulado pelo seu pároco Pe. Alexandre, participou da primeira aula de preparação ministrada por cooperadores arautos.




11 de junho de 2017

Arautos reúnem onze mil fiéis em Fátima




               Para comemorar o centenário das Aparições de Nossa Senhora aos três pastorinhos de Fátima, os Arautos do Evangelho, através do Apostolado do Oratório,  reuniram em Fátima onze mil peregrinos. A Missa foi celebrada pelo bispo castrense Dom Manuel Linda.
               Os Cooperadores portugueses tiveram papel destacado na cerimônia e na acolhida dos participantes, provenientes da Capital e de inúmeras cidades do interior de Portugal.

(clicar sobre as fotos)





9 de junho de 2017

José de Anchieta, o Apóstolo do Brasil



             A Igreja Católica comemora no dia 9 a memória do grande evangelizador do Brasil: São José de Anchieta.
             A vida de José de Anchieta é como um sopro encorajador: é exemplo. Entusiasma e arrasta os que têm Fé. Convida os católicos a viver na caridade e no ardor missionário que evangeliza e santifica.
Para os índios, ele foi médico, professor, foi amigo e defensor. Tornou-se o elo de ligação dos índios e colonos com os padres jesuítas, com a Igreja e a nação que estava sendo forjada.
             Mas, José de Anchieta foi sobretudo sacerdote. Cuidava das doenças e feridas das almas, da espiritualidade de todo o povo. Por isso mesmo é que lhe foram dados vários títulos que o homenageavam, sendo que o que melhor lhe cai é o de "Apóstolo do Novo Mundo", que para nós pode ser "traduzido" como "Apóstolo do Brasil".

           Leia a história deste grande santo, acessando Aqui

14 novos Cooperadores dos Arautos do Evangelho são admitidos em Fortaleza



              No domingo da Solenidade de Pentecostes, durante a Celebração Eucarística presidida por um sacerdote arauto, catorze novos cooperadores foram admitidos e revestidos de suas túnicas e distintivos na sede do Sodalício São José, da capital cearense.
              Anteriormente haviam passado por um largo período de formação espiritual e agora se propõema servir a Santa Igreja Católica, cada um em seu âmbito de ação, ou em campanhas conjuntas, contando com o auxílio sobrenatural.
              Os novos cooperadores se colocaram sob a especial proteção da Santíssima Virgem a fim de serem amparados em suas fraquezas, perdoados em suas faltas e estimulados no amor à perfeição.
             Todos renovaram a consagração como escravo de Jesus pelas mãos de Maria, segundo o método ensinado por São Luís Maria Grignion de Montfort em seu “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”.




4 de junho de 2017

Em Pentecostes, O Espírito Santo chegou com um ribombo, adentrando os corações



          Pouco antes da Paixão, quando preparava seus discípulos para os acontecimentos vindouros, Jesus lhes disse que haveria de deixá-los e ir para o Pai: “Agora vou para Aquele que Me enviou”, uma referência não à sua morte, mas à Ascensão. Diante da reação consternada de seus ouvintes, Ele quis consolá-los e dar a explicação de sua partida: “Convém a vós que Eu vá! Porque, se Eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas se Eu for, vo-Lo enviarei” (Jo 16, 5 e 7).
          Na história da salvação, após as intervenções do Pai e do Filho, chegara o momento de o Espírito Consolador derramar-Se sobre os fiéis, para fortalecê-los na Fé e abrasar-lhes a alma. Iguais em tudo e por tudo e formando um só Deus — um Mistério da Fé, fora do alcance da razão humana —, cada Pessoa divina manifesta um atributo próprio: o Pai, “do qual são todas as coisas”, o Filho, “mediante o qual são todas as coisas”, e o Espírito Santo, “em Quem são todas as coisas”. (Catecismo da Igreja Católica, nº 258).
           Em Pentecostes, Ele chegou com um ribombo, adentrando os corações. A transformação dos Apóstolos foi imediata, radical e eficaz. Apresentaram-se destemidamente em público e, pela voz do primeiro Papa, tocaram o mais profundo dos ouvintes: só naquele dia, cerca de três mil pessoas foram convertidas e batizadas. Por tal razão, o dia de Pentecostes é muitas vezes considerado a data na qual nasceu a Igreja.
           Santificador e guia da Igreja Católica. A santa Igreja de Deus não é somente imortal; ela é também santa por ser vivificada pelo Espírito Santo. Por mais que falhas humanas possam nela ocorrer, em nada poderão diminuir essa santidade. Pela mesma razão, é a Igreja que santifica, por meio dos Sacramentos, todos aqueles que dignamente os recebem.
           O Paráclito é o Espírito de toda a graça, como rezamos na Ladainha com a qual O louvamos. Abundantes graças eram indispensáveis para os Apóstolos conquistarem as almas, e Ele as concederia: a prática da perfeição, a luz da inteligência, a inspiração dos profetas, a pureza das virgens.

25 de maio de 2017

Em Fortaleza fiéis se consagram a Jesus por Maria



                Mais um grupo de fiéis, desta vez da Paróquia de Nossa Senhora das Graças, no Parque Rio Branco, fez sua consagração a Jesus pelas mãos de Maria, segundo o método de São Luiz Maria Grignion de Montfort.
               Estes novos consagrados frequentaram durante nove semanas um curso de preparação, ministrado por cooperadores dos Arautos do Evangelho desta capital.
               As fotos que seguem são deste ato realizado durante a Eucaristia celebrada por um sacerdote arauto, e abrilhantado pela participação do coral do Sodalício São José, de cooperadores dos Arautos de Fortaleza.



24 de maio de 2017

Ascensão: E enquanto os abençoava, separou-Se deles e era levado para o Céu.


 

               Grandiosa cena e acontecimento inédito: Cristo "subiu ao Céu pelo seu próprio poder; primeiro pelo poder divino; segundo, pelo poder da alma glorificada que movia o corpo como queria".    Os Apóstolos e discípulos já O haviam visto andar sobre as águas, entrar no Cenáculo a portas fechadas, escapar em meio à multidão, mas elevar-Se ao Céu ainda não. Eles não ignoravam para onde partia Nosso Senhor, já haviam ouvido dos lábios do próprio Mestre qual seria seu destino.
                E com os Apóstolos devemos crer que, por sua Ascensão, Jesus "preparou-nos o caminho para subirmos ao Céu, de acordo com o que Ele mesmo disse: ‘Irei preparar-vos um lugar', e com as palavras do livro de Miquéias: ‘Subiu, diante deles, Aquele que abre o caminho'. E porque Ele é a nossa cabeça, mister se faz que os membros vão para onde ela se dirigiu. Por isso diz o Evangelho de São João: ‘De tal sorte que lá onde Eu estiver também vós estejais.'"

Leia os comentários de Mons. João Clá Dias a respeito da festa de amanhã: a Ascensão do Senhor.

Acesse AQUI

22 de maio de 2017

Mons. João Clá lança novo livro sobre Fátima


Depois de difundir milhares de exemplares de seu livro “A Aurora do Terceiro Milênio”, em varias línguas, Mons. João S. Clá Dias, EP homenageia a Virgem de Fátima com mais uma publicação: “Por fim, meu Imaculado Coração triunfará!”

Em seu incansável zelo apostólico e desejo de fazer o bem às almas, Mons. João – Fundador e atual Superior Geral dos Arautos do Evangelho e da Sociedade Clerical de Vida Apostólica Virgo Flos Carmeli – nos convida a aproximarmos de Maria Santíssima através desta publicação, louvando-A pelo seu aparecimento, em Fátima, há 100 anos atrás.

 O livro poderá ser adquirido através do site:
 http://www.acnsf.org.br/

Homenagem às mães na catedral de Fortaleza



              Além da cerimônia em prol das mães realizada na sede São José, dos Arautos do Evangelho de Fortaleza, os cooperadores desta entidade abrilhantaram a Santa Missa celebrada no último dia 14 na Catedral Metropolitana, na intenção de todas as mães cearenses.
              A imagem do Imaculado Coração de Maria, Mãe de todas as mães,  foi entronizada solenemente no templo, ocupando lugar de destaque no presbitério,  e o coral dos cooperadores-arautos executou cânticos religiosos, alegrando as mães presentes à cerimônia.




20 de maio de 2017

Mais um grupo se consagra a Jesus pelas mãos de Maria



              Em várias cidades do Brasil, os Arautos do Evangelho - com a decisiva colaboração de seus Cooperadores - promovem cursos de Consagração a Jesus pelas mãos de Maria, segundo o método de São Luiz Maria Grignion de Montfort.
              No caso em apreço, ao término das dez semanas de preparação promovida por casais de cooperadores, sob a presidência do pároco Frei Maciel Alves Bueno foi realizada na Paróquia de Santa Rita de Cássia, no Parque Novo Mundo, em São Paulo, a solene cerimônia da coroação da Imagem Peregrina, e firmada pelos consagrandos a fórmula de Consagração contida no Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Maria.
             As fotos abaixo são da cerimônia  levada a efeito no Sábado passado durante a Celebração Eucarística presidida pelo religioso. O Coral Regina Angelorum, do Sodalício de Nossa Senhora da Saúde, apresentou vários cânticos apropriados à ocasião.








19 de maio de 2017

Vocação à santidade



            No último sábado, realizou-se mais um programa formativo na sede dos Cooperadores dos Arautos do Evangelho, de São Paulo, iniciado com a celebração da Santa Missa, pelo Pe. Wanderlei Dansiger, EP, que antes e depois ministrou o Sacramento da Reconciliação.
            O ato seguinte consistiu na exposição proferida pelo arauto Sr. Cícero Sobrera, dando continuidade ao tema da Santidade, Caminho de Vida. Partindo do ensinamento do Apóstolo São Paulo de que devemos buscar os bens do espírito e não os do mundo, e também da afirmação do Catecismo da Igreja Católica: "A vocação dos católicos é a santidade", o palestrante abordou vários aspectos do tema; exemplificou com a vida edificante de homens e mulheres que praticaram a virtude em grau heroico,  concluindo que a santidade está relacionada com o nosso dia-a-dia, devendo ser refletida não apenas na vida de piedade, mas também nos comportamentos, estilos de vida, indumentária, e ordem em todas as coisas.
             Constou também do programa uma cerimônia em que vários cooperadores ratificam seu compromisso voluntário seguirem a espiritualidade dos Arautos do Evangelho, e ainda a veneração de relíquias dos pastorinhos de Fátima Jacinta e Francisco. Por último, ocorreu a costumeira confraternização entre os presentes.